Castro Jr.

Agente da Prosperidade

FARTURA, SEM DESPERDÍCIO

Mar 042021

                                                                 FARTURA, SEM DESPERDÍCIO

Neste momento em que percebemos a quantidade de pessoas que estão passando fome, por ter sido desempregada, ou vivia na informalidade ganhando sua grana diária, e agora não é mais possível, empresas fechadas, sem eventos, lembrei muito do meu avô materno que sempre ensinava: fartura de comida, mas sem desperdiçar nada!


Quando criança, havia o horário de jantar às 19 horas, todos de banho tomado e com seu lugar na mesa. Vovô chegava e olhava as tigelas com as iguarias, se não houvesse fartura, dizia: está faltando dinheiro na casa?


Aprendi a gostar de ter comida farta na mesa, poder escolher o que comer, saborear o que foi feito com tanto carinho e amor. Alimentar assim é muito saudável!


Porém, tínhamos que colocar em nosso prato somente a quantia que iria comer, não poderia sobrar nada no prato. Se quisesse poderia repetir à vontade, mas tudo deixar nenhum desperdício no prato. E ao sempre fui assim, preparo meu prato e como tudo nele colocado, sem nenhuma sobra.


Lembro de outra história ainda adolescente. Alguém bateu à porta e pediu um prato de comida. Não havia comida pronta, mas preparei um pão com manteiga e fatias de queijo com café, e leve para a pessoa. Ela olhando e me disse mas isso não é comida, quero arroz com feijão. E não aceitou o sanduíche – o pão tinha chegado da padaria naquela hora -, e foi embora, xingando. Ficou muito triste por aquele ato e fiquei refletindo como a soberba impede a gratidão!


Participo de muitos grupos de sopão, de entrega de marmitas, para moradores de rua, e vejo a alegria dos mesmos quando chegamos com o caldeirão lotado e vamos servindo junto com um pãozinho. A única refeição decente daquele dia para todos eles.
Alimentar bem é um item essencial para a saúde, assim como dormir bem. Sem isso, a saúde se complica, órgãos internos não funcionam bem, pois faltam as vitaminas necessárias à nossa imunidade.


Também lembro há uns três anos, convenci meu neto a doar seus brinquedos dos quais não utilizava mais, e disse a ele que iríamos a uma comunidade, eu e ele, entregar cada doação como um presente para outra criança. Aproveitei e junto com o presente, levamos um saquinho com frutas e guloseimas também. Não vou esquecer este momento lindo: sua alegria ao entregar a cada um seu presente, bem como a alegria de cada um dos presenteados. Ele ficou semanas contando esta boa ação para todos que conhecia.


Criança deve ser educada livre, mas com os limites sociais necessários de educação. Olhar o outro como ser humano, buscar saber de sua necessidade – fome, sede, moradia, conhecimento -, e buscar acompanhar e auxiliar. Tudo isso faz com que a criança se torne uma pessoa que transforma o mundo através de sua atitude e de seu propósito: ser cada dia melhor para ela e para os demais!

RELACIONAMENTOS

Mar 032021

                                                                         RELACIONAMENTOS

 

Relacionamentos são compromissos, compromissos com um propósito. Portanto nada fácil, entre pessoas.


Tive mulheres, tive sócios, e tanto casamentos quanto sociedades exigem valores para se manter uma integridade no relacionamento: saber ouvir, saber respeitar, saber desprender, saber ser paciente e perseverante, e muito mais.


Três “casamentos” depois, posso dizer que as mulheres possuem um padrão semelhante, ou será que eu escolho elas por um padrão único: bonitas, inteligentes, competentes e bravas. Detesto mulher mansa, sem atitude, que não sabe o que quer da vida. Ao mesmo tempo, as mulheres imaginam muito, principalmente quando estamos com amigos ou colegas para tomar uma, jogar futebol, ir ao jogo do Galo. Sempre imaginam que são desculpas para uma “farra”. Não sei como só pensam nisso, não há mulher no meio, apenas conversas masculinas!


Evidentemente, eles não terminaram por causa disso. Sou um homem de eventos, faço isso há 37 anos, desde que entrei na universidade. Chegar de madrugada, quase amanhecendo, foi uma rotina durante muito tempo. Organizava cerca de 40 eventos por mês, não tinha folga nem aos domingos. Isso é chegar à liderança de mercado, e todos querem fazer o evento com você! Tudo tem seu preço.


Com os sócios e sócias, felizmente foi diferente. Tenho orgulho de ter compartilhado uma pouco da minha vida, com cada um deles. Fizeram aprender e adquirir muitas virtudes, habilidades e talentos. E isso não é diferente agora: tenho um sócio e uma sócia, e tenho grande gratidão por ambos, cada um no seu universo de conhecimentos. São amigos, são irmãos, são confidentes!
Claro, que tenho negócios nos últimos 30 anos. Uma empresa de recrutamento e seleção de pessoas, empresa organizadora de eventos, seguranças e manobristas. Algumas já encerraram suas portas, pois não consegui fazer um sucessor, e estava cansado de noite após noite seguir em frente.


Hoje, mais light, levando a vida mais leve, consigo conversar mais, planejar as ações, buscar investidores e patrocinadores, e auxiliar na criatividade deles. Assim, vou vivendo, sem mágoas nem rancor, entendendo e respeitando o outro em sua velocidade e nos seus interesses.

 

VIAGENS PELO MUNDO

Mar 022021

                                                                         VIAGENS PELO MUNDO

Uma das coisas que mais gosto é viajar pelo mundo. E comecei aos 15 anos, numa primeira viagem à Argentina, e depois de 5 meses, para Portugal e Europa. Uma viagem memorável de 80 dias, 28 em Portugal e o restante pelo sul da Espanha e França, e oeste da Itália. Tudo diferente, novo, memorável, marco em minha formação como homem, como ser humano admirador da natureza. Viajar te relaxa, te traz transformações no modo de ser, faz você mais amplo na vida!


Aos 17 anos, entrando para a universidade, deparei com uma oportunidade única: ser coordenador das viagens da OPEMA pelo país. Conheci boa parte das capitais dos estados, levando caravana de estudantes dentro do Projeto. Percebi nas experiências como o Brasil era único e diverso nos recursos naturais e culturais.


Com um grupo de amigos e amigas, sempre fazíamos viagens para praias – Búzios, Arraial da Ajuda e Trancoso, Angra, Morro de São Paulo, etc. Sempre retornava encantado com as paisagens brasileiras.


No primeiro ano profissional, fui para o norte de Roraima, trabalhar. Fiquei meses, pois recebi propostas de retornar e voltei para BH, esta cidade que me acolheu e ainda me deu um título de Cidadão Honorário. E continuei a viajar pelo país, e só ainda não fui ao Acre e Rondônia. Adoro o Nordeste, e adoro o sul do Brasil, bem como Itaipava, Campos do Jordão, Vila Velha, Blumenau, Gramado, Caixas do Sul, Paraty.


Fui estudar fora, pelo Doutorado, na França. Aproveitei para conhecer cada um dos países europeus, e aí fiquei entusiasmado com as histórias de cada um e com a História da Humanidade. Os Paradores espanhóis e Barcelona, o interior francês com seus queijos e vinhos, a Toscana italiana com suas massas, e Portugal com seus diversos bacalhaus. Bruxelas, Berlim, Viena, Genebra, Budapeste, etc. Fiz uma viagem à Grécia, Turquia, Síria, Líbano, Jordânia e Egito. Não pude entrar em Jerusalém, pois o país estava fechado!


Conheço toda a América do Sul até o Panamá. Conheço o México e muitas ilhas no Caribe. Estados Unidos e Canadá. Já são mais de 70 países, cada qual com sua cultura e seu modo vivendis. Preconceitos são eliminados, pois a diversidade do ser humano é imensa!


Agora a meta é a Ásia. Quero muito conheço o Oriente e sua rica História!

VIVER SOZINHO

Mar 012021

                                                                               VIVER SOZINHO

Sempre muito sozinho, morando sozinho desde os 22 anos de idade, e muitos intervalos entre relacionamentos, também sozinho. A Pandemia me pegou sozinho, montando nova casa, após 15 anos do último casamento.


No último relacionamento, a casa era dela, decoração dela, tudo dela. Desfiz de tudo meu, pois não cabia nada meu, o closet era todo dela. Nunca me senti bem morando num lugar que não se identificava comigo. Não que fosse feio, decoração belíssima, de um bom gosto magnífico. Mas nada era meu, me representava, me identificava!


Eu era uma pessoa extremamente social, agenda cheia de reuniões, encontros, visitas e muitas tarefas, muitas festas. Disciplinado e com rotina bem estabelecida, sempre dei conta de tudo profissional e pessoal, a ponto de que ninguém pensa que eu tenha algum problema, imaginam que vivo num mar de paz, sem precisar de nada.


Quem vive sozinho, precisa de um ombro amigo, alguém de confiança para desabafar e conversar tudo que interessa e necessita. Difícil ter este amigo!


Ter uma mulher ao lado é sempre muito bom, quando a sintonia é fina, quando os interesses sejam os mesmos, até muitos gostos. Ler, viajar, ir a restaurantes, sempre melhor bem acompanhado, com alguém que possa ter bom papo e boa conversa.
Mas chega um momento que algo muda, não sei como acontece, mas você quer se ver livre, para outras turmas, outros amores, outras conversas, fazer e recordar ações do passado que trazem excelentes recordações.


Vivi até o momento uma vida intensa em emoções, em atividades, em viagens, em conhecimento. Hora de deixar um legado!
Então durante a pandemia, resolvi me reinventar mais uma vez, encontrei um parceiro confiável, e estou seguindo o que me passa na cabeça. Com três livros já bem escritos, não uma autobiografia, mas uma ficção baseada naquilo que venho vivendo, nomes fictícios, mas retratando a realidade do país durante minha trajetória.


Este Blog é uma das idéias que foram concretizadas, um texto a cada dia útil, e já são mais de 300. Aí as lives, falando de BH e MG, dezenas delas para todas as partes do país. O Visite Belo Horizonte passa a ser on line, e com um sucesso ainda maior! O Minas Eventos X-perience me proporciona a promoção de boas conversas entre pessoas interessantes e inteligentes. E veio o Papo Mineiro, três vezes por semana, onde converso com pessoas que fazem e acontecem, muitas na execução sem ter recebido os aplausos necessários. E agora as Dicas Cotidianas, duas vezes por semana, onde falarei de temas atuais com a liberdade que tenho para tratar deles com a minha opinião e vivência.


Em casa, fiz cursos on line, já li mais de 60 livros, temas variados, escrevi muito, atuando muito nas redes sociais, todas. E o melhor, reaprendi a cuidar da casa, hoje ela me identifica, me retrata. E voltei a cozinhar para mim, cardápios variados, alimentação saudável, tomando um vinho ou uma cerveja, algumas vezes com amigos, mas na maioria comigo mesmo. Cuidando da saúde sempre, se protegendo!


No início, parecia férias, depois uma pequena depressão por não saber como agir, e em seguida o início da reinvenção. Não retorno mais para o presencial diário. Quero permanecer no remoto de casa, trabalha-se mais mas sempre com satisfação!
Levanto, tomo banho, meu café começa com um copo de água com limão, coloco mesa para as refeições – café da manhã, almoço, lanche da tarde -, como com tranqüilidade nunca rápido, e faço as tarefas necessárias, assisto séries e jornais na TV, ouço música, e sigo em frente. Dias alegres, dias ruins e tristes, mas tudo faz parte.


Viver sozinho é bom, desde que não se surta em não encontrar as pessoas!

FUMAR, PROBLEMA SILENCIOSO

Fev 262021

                                                                 FUMAR, PROBLEMA SILENCIOSO

Antigamente, fumar cigarros e outros produtos derivados do tabaco – cachimbo, charuto – era associado à maturidade, liberdade, elegância e até ao sucesso. Entre as décadas de 1950 e 1990, o tabagismo foi disseminado, por um oligopólio de empresas multinacionais, como um comportamento desejável e socialmente aceito, tornando-se parte do cotidiano através de sua presença maciça no cinema e nas propagandas de televisão, rádio e revistas.


Na virada do século, a Organização Mundial da Saúde (OMS), classificou o tabagismo como uma doença mental e comportamental, responsável por sete milhões de mortes anuais no mundo, e 157 mil por ano no Brasil. Os custos diretos da assistência médica relacionados ao tabagismo equivalem a 8% de todo gasto público e privado em saúde no país.


Apesar dos avanços regulatórios e legislativos, que contribuíram para uma queda significativa no número de fumantes no país, crianças e adolescentes continuam sendo seduzidos a fumar (e, recentemente, a vaporar cigarros eletrônicos) através das novas, dinâmicas e poderosas plataformas de comunicação empresa-consumidor. As estratégicas de marketing migraram para redes sociais, seriados e influenciadores digitais.


As conhecidas associações do produto ao prazer, independência, virilidade, sucesso e modernidade continuam incentivando a experimentação – que, junto ao poder da nicotina de causar dependência química e psíquica, fisgam o jovem.


Apesar de legalmente proibida qualquer forma de publicidade, propaganda e patrocínio de tabaco no país, investigações do Ministério Público identificaram cifras milionárias investidas em festivais de música recentes.


É fundamental que a população esteja ciente e atenta a essas estratégias danosas. Os órgãos de vigilâncias sanitárias e os Procons devem ser acionados sempre que o consumidor perceber ações publicitárias que incentivam o tabagismo.

FAMÍLIA & ESCOLA, EM PROL DO CIDADÃO

Fev 252021

                           FAMÍLIA & ESCOLA, EM PROL DO CIDADÃO


Quando a Pandemia chegou, família e escola precisaram se ajustar aos desafios do ensino remoto. Havia necessidade de novas rotinas para que os estudantes não tivessem grandes impactos no aprendizado.


Buscar maneiras de auxiliar os alunos a melhorar a capacidade de concentração. o senso de responsabilidade e outras habilidades pela internet.
Agora, chegou o momento da retomada das aulas presenciais aliadas ainda ao remoto. Muitas dificuldades deverão ser enfrentadas pela família e pela escola.


Qual o papel da escola e da família neste aprendizado?

Crianças e adolescentes precisam de convivência social que a escola traz. O contato olho no olho com a professora e os colegas, é fundamental para que o processo de aprendizagem seja pleno. A tecnologia deve ocupar um papel de recurso extra, importante no processo de aprendizagem, mas nunca o centro do processo.


Infelizmente, durante estes meses passados, um número grande de alunos de escolas públicas não tiveram acesso às aulas remotas ou conteúdos. O prejuízo maior ficou para todos aqueles que não tiveram uma parceria forte entre a família e a escola. Alunos cujas famílias se uniram à escola para garantir tipo de contato com as atividades enviadas pelos professores tiveram aprendizado, mesmo que em grau menor do que teriam presencialmente.


A autoestima e a segurança estão abaladas, pais sentem receio e isso pode traduzir mais pressão sobre o aluno. É preciso entender como a rotina dentro de casa pode favorecer a retomada das aulas presenciais e o aprendizado. Considerar a importância do acolhimento emocional de professores e alunos.


Se a escola conseguir orientar as famílias e dar o apoio emocional de que os professores estão precisando para sentir que foram acolhidos, os alunos terão suporte dos responsáveis para o sucesso do aprendizado: família e professor.
O acolhimento emocional do aluno é essencial, pela família e professores. Ambos conseguem guiar os alunos, apoiando e estimulando, desafiando e mostrando o quanto acreditam neles, desde que tenham a oportunidade de aliviar todo o estresse e pressão que enfrentaram.


Cabe à família fazer os ajustes na rotina para que os filhos tenham um ambiente que favoreça o pleno desenvolvimento. Tempo desconectado da internet, brincadeiras no mundo real, conversas em família, horário de estudo e leitura, além de responsabilidade compartilhada são pontos de uma rotina equilibrada, que estimula o aprendizado.


O ideal é que somente o equipamento utilizado para a aula remota esteja no ambiente na hora da aula. Se a criança tem um computador ou tablet para usar como ferramenta, o celular deve ficar desligado e em outro ambiente. Ter mais de um equipamento disponível tira a concentração.


Os pais precisam combinar momentos em que todos estejam desconectados. A hora das refeições é um dos casos em que eletrônicos não devem fazer parte. É preciso garantir atividade física e horário de ir para a cama à noite, sem presença da tecnologia.

San Consultoria Web